RSS

Arquivo da categoria: — Esboços de mensagens dominicais 2017

Roteiro Semana 37

SEMANA 38                    Conquistando produtividade na vida!                 17/09/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Assim diz o Senhor ao povo de Judá e de Jerusalém: Lavrem seus campos não arados e não semeiem entre espinhos”.

Jeremias 4.3

 

Introdução:

Embora a Palavra de Deus seja farta de informações sobre as promessas que Deus tem para o seu povo de prosperá-los e de que onde coloquem as mãos as coisas fluam, na verdade constatamos que na prática muitas pessoas no meio do povo de Deus não são produtivas. Casamentos, ministérios e vida profissional sofrem pela falta de sucesso do trabalho daqueles que nessas coisas deveriam estar embrenhados. Jeremias profetizou em Judá durante o tempo em que Babilônia tomou em cativeiro Jerusalém. A nação irmã Israel já era cativa da Assíria e Judá é chamada de traidora porque seguiu o exemplo rebelde de Israel. O fracasso estava associado à negligência do povo  em seu relacionamento com Deus. O povo é chamado a “lavrar seus campos não arados e a não semear entre espinhos”. O fato indica a importância de cuidar da nossa alma, o nosso campo principal de atuação. As pessoas cuidam de coisas, de outras pessoas e de ministérios na igreja, mas negligencia o principal campo de atuação, a sua própria alma. A mensagem dessa semana é a palavra orientadora de Paulo a Timóteo: “… cuida de ti mesmo…”. O Rei Ezequias cuidou de um Reino inteiro e quando ia morrer o profeta Isaías é enviado a ele com a seguinte mensagem: “Põe a sua casa em ordem”. Ele se esqueceu de cuidar de si mesmo e estava com sua vida desorganizada! O que é preciso para cuidar de si mesmo?

 

Desenvolvimento:

  • Descobrir que você é o principal campo a ser lavrado. “Lavrem seus campos”.
  • Trabalhar no que é seu, pois os seus campos ainda “… não estão arados”.
  • Não desperdiçar tempo e potencial. “… não semeie entre espinhos”.

 

Embora o sofrimento nas situações da vida seja patente (3.3 chuvas retidas) e as dores internas são evidentes (3.21 choro, pranto e suplica), o povo recusa-se a envergonhar-se (3.3). Isso demonstra que o grande problema e pecado das pessoas estão associados com a dureza de coração, a qual é alimentada pelo orgulho, vaidade e presunção.

 

Conclusão

Se você deseja cuidar dos seus campos então tome providências imediatas quanto aos seus comportamentos, pois Israel chamava Deus de Pai (3.4), mas fazia todo mal que podia fazer (3.5).

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

Anúncios
 

Roteiro Semana 37

SEMANA 37                    Conquistando o acesso para a vida plena!                 10/09/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem”.

João 10.9

 

Introdução: Jesus usou muitas figuras para se apresentar ao povo e assim indicar a que veio. Ele disse ser a luz do mundo, o pão da vida, o sal da terra e a porta das ovelhas, dentre outras coisas. Vamos pensar nele como a porta. Uma porta indica algumas coisas no sentido temporal e eterno:

 

Desenvolvimento:

Local de passagem. Indica a mudança de ambiente. Conduz de um lugar a outro: Por meio de Jesus saímos do mundo e entramos na igreja, saímos do inferno e vamos para o Céu. É simples: Quem está no mundo quando morrer vai para o inferno e quem está na igreja para o céu. Todos vão um dia morrer!

 

Local de proteção e conforto. Proteção contra o ladrão (Diabo) que precisa passar por cima dele para entrar e roubar a nossa vida. Conforto porque nele podemos confiar para passarmos pelas dificuldades e descansarmos.

 

Local de privacidade. Colocamos porta entre dois ambientes quando pretendemos dar uma privacidade a um deles. A chave da porta garante a privacidade, por isso na Igreja de Cristo e na eternidade entra somente quem tem a chave da porta que e a fé.  Jesus disse: “Será salvo”.

 

Local de sustento. Talvez a porta mais importante da casa é a chave do armário da comida (dispensa), por isso em Cristo temos riquezas espirituais e provisão para essa vida. A cada minuto seis crianças morrem de fome no mundo por falta de alimento, estima-se que morrem 85 mil pessoas por dia sem conhecerem a Jesus, portanto sem salvação, sem a porta de dispensa eterna.

 

Conclusão

A porta conduz a um caminho temporal e a um destino eterno, e embora isso seja muito bom nem todos querem entrar, pois depois dessa porta existe um caminho estreito: “Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram”. Mateus 7.13-14. A fé que é a chave para a porta é um patrimônio (Judas 3) que nem todos possuem e quem o tem deve preservá-lo até mesmo com luta e esforço por causa daqueles que desejam roubar esse patrimônio (Judas 4).

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

 

Roteiro Semana 36

SEMANA 36                                                                     Conquistando estruturas sólidas!                                                              03/09/2017

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Conforme a graça de Deus que me foi concedida, eu, como sábio construtor, lancei o alicerce, e outro está construindo sobre ele. Contudo, veja cada um como constrói”.

I Coríntios 3.10

 

“Semeiem a retidão para si, colham o fruto da lealdade, e façam sulcos no seu solo não arado; pois é hora de buscar o Senhor, até que ele venha e faça chover justiça sobre vocês”.

Oséias 10.12

 

Introdução:

Nessa semana vamos meditar sobre a necessidade de construir alicerces firmes para sobre eles depositar todas as nossas conquistas. Uma boa construção pode se deteriorar ou mesmo se perder com as intempéries e mesmo pelo desgaste natural do envelhecimento quando a base não é solida. Como estão as bases de nossa vida?

 

Desenvolvimento:

O profeta Oséias norteia valores como a matéria prima para construção de bons alicerces de vida.  Ele é o profeta que indica que a falta de conhecimento conduz a destruição, e que quando não conhecemos Deus na intimidade de um relacionamento valores se perdem (4.1,6). Então, ele incentiva à busca de conhecimento de Deus (6.3). Aprendemos nessa mensagem que um alicerce sólido da vida se forma com a base da retidão, lealdade e justiça. Ensina que buscamos a Deus quando alimentamos integridade em nossos comportamentos (retidão), virtudes em nosso caráter (lealdade) e com isso preparamos um solo para que Ele envie seu perdão e misericórdia (justiça). Existem pessoas que à semelhança dos adoradores de Baal pensam que buscar a Deus é rasgar suas vestes e seus próprios corpos com sacrifícios e atos devocionais como clamor e jejuns e se esquecem que a busca de Deus não se limita ao tempo que estamos com a Bíblia na mão lendo e estudando, nem mesmo quando estamos embrenhados numa campanha ou serviço na igreja, antes é uma atitude de tempo integral marcada por retidão e lealdade no dia a dia, nas ações de nossas vidas. Precisamos da consagração pessoal, é natural que tenhamos cerimonias e rituais, mas que essas coisas somadas com os nossos atos devocionais cumprem o propósito de alimentar a intimidade com o Senhor, mas não possuem a capacidade de ocultar pecados e vida desregrada. Busque ao Senhor ao ser honesto em seus negócios e pagando suas contas em dia, para isso não faça compras que não possa pagar, busque ao Senhor sendo fiel em seus compromissos e alianças e busque ao Senhor tratando em amor as pessoas do seu relacionamento.

 

Conclusão

Quando buscamos ao Senhor ele envia a chuva, e chuva significa produtividade, fertilidade e vida. Não é isso que estamos procurando? Queremos o Senhor porque precisamos dele e daquilo que Ele pode fazer por nós. Precisamos do seu perdão, da sua proteção e da sua provisão. Portanto, vamos conquistar bases sólidas para nossa vida através de um relacionamento íntimo com Deus de onde possamos extrair valores para o nosso caráter que se refletirá em nossos comportamentos.

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

 

 

 

Roteiro Semana 35

SEMANA 35                    Conquistando uma descendência poderosa!             27/08/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Aleluia”! Como é feliz o homem que teme o Senhor e tem grande prazer em seus mandamentos!

Seus descendentes serão poderosos na terra, serão uma geração abençoada, de homens íntegros.

“Grande riqueza há em sua casa, e a sua justiça dura para sempre”.

Salmos 112.1-3

 

Introdução:

Nessa mensagem objetivamos mostrar a responsabilidade que temos sobre as futuras gerações. Existem pessoas que nascem numa linha de ascendência amaldiçoada, num contexto de maldições, e o desafio é romper isso e iniciar a partir de si uma descendência poderosa. Outras pessoas nascem de uma ascendência abençoada e tem como trabalho na vida dar continuidade a isso. Cada um de nós é um agente ativo na formação ou continuidade de uma descendência biológica, espiritual (filhos na fé) e geracional (uma geração promove o que será da próxima geração). Os atos pecaminosos ou santos que praticamos serão as ferramentas que definirão o que vai acontecer com nossa descendência biológica, espiritual e geracional.

 

Desenvolvimento:

Os capítulos 4 e 5 de Gênesis mostram que Adão e Eva tiveram dois filhos, Caim e Abel, sendo que o primeiro matou o outro. Um terceiro filho nasceu: Sete. Caim, o assassino, gerou uma descendência de pessoas que se afastavam do Senhor (4.16) – uma descendência amaldiçoada; enquanto Sete fez nascer uma descendência de pessoas que buscavam a Deus (4.26). Na observação das realizações dos descendentes de um e do outro vemos a diferença de motivação de vida e comportamentos de quem faz parte de uma descendência poderosa e de quem não faz.

 

Descendência amaldiçoada:

4.17. Uma cidade construída em nome de Enoque. Ostentação e glorificação humana.

4.19. Lameque pratica poligamia. Luxúria e entrega a imoralidade sexual.

4.20. Trabalho com fim exclusivo o bem estar. Antes o trabalho era uma forma de servir e cuidar do que era de Deus (Éden). Glorificava a Deus.

4.21. Jubal tornou-se músico e é o pai da música para glorificação humana.

4.22. O princípio de usar o erro para fazer armas de combate.

 

Descendência abençoada:

4.25-26. Através de Enos seus descendentes começam a invocar a Deus demonstrando dependência.

5.24. Enoque anda com Deus expressando desejo de comunhão como Criador.

55.29. Noé significa aquele que ajuda outros. Obediência a Deus para servir e ajudar outras pessoas.

 

 

Conclusão

Você pode se ver apenas como mais uma pessoa no universo, mas saiba que ninguém se isenta da responsabilidade de deixar um legado para as gerações futuras. Sua atitude hoje isoladamente está contribuindo para o que será a sua descendência biológica, mas a mesma atitude somada àquelas praticadas pelas outras pessoas da sua geração está definindo como será a próxima geração.

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

Roteiro Semana 34


SEMANA 34 A história não terminou! 20/08/2017

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

“ Pela terceira vez, ele lhe disse: “Simão, filho de João, você me ama?” Pedro ficou magoado por Jesus lhe ter perguntado pela terceira vez “Você me ama?” e lhe disse: “Senhor, tu sabes todas as coisas e sabes que te amo”. Disse-lhe Jesus: “Cuide das minhas ovelhas”.
João 21.17

Introdução: Baseado na vida do apóstolo Pedro vamos falar sobre o crente que falha durante o processo de desenvolvimento espiritual. O relacionamento do apóstolo Pedro com Jesus pode ser dividido em três fases distintas, as quais servem de parâmetro para os tipos de relacionamentos que as pessoas têm com o Senhor: Temos a fase de Pedro nos Evangelhos, depois em Atos dos apóstolos e, do apóstolo maduro que escreve cartas inspirativas. Nos Evangelhos e em Atos Pedro está em processo de desenvolvimento espiritual e erra em vários procedimentos. Lembrar que a história dele não acabou e por isso chega a um estágio de maturidade e correção de rota quando escreve suas cartas. A mensagem de hoje é um incentivo na caminhada para os crentes que falham, mas que perseveram na busca da perfeição.

Desenvolvimento: A primeira fase mostra o Pedro dos Evangelhos. Ficou conhecido por seus comportamentos intempestivos impregnados de falhas: Aqui se deixou usar pelo Diabo, dormiu enquanto Jesus orava, usou da espada para tentar impedir que Jesus fosse preso e depois o negou. Essa é a fase do amor intenso por Jesus acompanhado de instabilidade no comportamento testemunhal. Ainda bem que história não terminou aqui, pois apesar de tudo isso Jesus confiou em Pedro, o restaurou e lhe deu uma posição na igreja. A segunda fase é a do Pedro dos Atos dos Apóstolos. Está cheio do Espírito Santo, é um grande pregador e líder da Igreja, mas possui tendências à hipocrisia e a querer parecer o que não é. Nessa fase ele usa de dupla personalidade ao fazer coisas que condenava. Era religioso. Estava impregnado pela cobrança interior de ser santarrão e tentava mostrar essa suposta santidade aos outros. Pensava em aparências e não na profundidade. Mas a história não acabou por aqui. A terceira fase é a do Pedro das Cartas. Um Pedro equilibrado, amoroso e intimo de Jesus. Aqui sua preocupação com os irmãos é autentica e seu desejo pelo bem estar da igreja é sincero. Nas duas primeiras fases Pedro não havia aprendido certas coisas que depois, na terceira fase, demonstra ter aprendido e agora ensina. Vejamos o que ele não tinha aprendido:
1. O valor da ressurreição. “Conforme a sua grande misericórdia, ele nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos”. I Pedro 1.3. 2.

2. Ter relacionamento com os não crentes. “Vivam entre os pagãos de maneira exemplar”. I Pedro 2.12.

3. Sofrer por amor a Cristo, por isso o negou. “Não temam aquilo que eles temem, não fiquem amedrontados”. I Pedro 3.14.
4. Levar desaforo para casa, por isso feriu o soldado que viera prender a Jesus. “Não retribuam mal com mal, nem insulto com insulto”. I Pedro 3.9.

5. Ser vigilante e homem de oração. Dormia enquanto Jesus orava. “estejam alerta; dediquem-se à oração”. I Pedro 4.7.

6. Não viver de aparência, por isso condenava comer com os não crentes, mas escondido participava da mesa deles. Negava-se a pregar o Evangelho aos gentios. “Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos de Deus, peregrinos dispersos no Ponto, na Galácia, na Capadócia, na província da Ásia e na Bitínia.” I Pedro 1.1.

Conclusão
Moral da história: Jesus é tolerante com nossas fases iniciais de relacionamento com Ele quando estamos caminhando para a intimidade e comunhão plena.

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

Roteiro Semana 33

SEMANA 32                      Conquistando pela obediência!          13/08/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda Judéia e Samaria, e até os confins da terra”.

Atos 1.8

“Naquela ocasião desencadeou-se grande perseguição contra a igreja em Jerusalém. Todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e de Samaria”.

Atos 8.1

 

Introdução: Quando o Senhor Jesus ordenou aos seus discípulos que pregassem o Evangelho a todos e em todos os lugares (Marcos 16.15) estava indicando o que daria sentido à vida deles, o que eles deveriam fazer dali em diante para conquistar uma existência significativa. Eles poderiam simplesmente obedecer e conquistar a razão da existência deles – e Deus desejava tanto incluí-los em seu plano que desenvolveu uma perseguição à igreja para que eles fossem impelidos a obedecer – ou desobedecerem, e em rebeldia darem outro rumo às suas vidas. Lembre-se que sempre será possível obedecer a tudo que o Senhor ordena, pois seus mandamentos não são pesados!

 

Desenvolvimento: Temos adotado a vida e experiência de Neemias para indicar o caminho das nossas conquistas e no quesito dessa semana não é diferente. Diante do quadro caótico da cidade de Jerusalém e movido pela consternação interior causada pelas informações recebidas, Neemias não sabia o que fazer. O rei lhe perguntou o gostaria de lhe pedir (Neemias 2.4) e diante dessa questão aprendemos três comportamentos de quem deseja conquistar pela obediência. Primeiro Neemias orou ao Senhor (2.4). Ele não pediu qualquer coisa que lhe veio à mente. Certamente ele gostaria de encontrar uma solução para a situação e a situação trazia com obviedade a resposta: a cidade precisa ser restaurada, começando pelos muros. Ele procurou aguçar o seu coração e mente para ouvir Deus. Oração é diálogo e ele não foi reportar a Deus o que estava acontecendo (Deus já sabia!), antes foi consultar sobre o que deveria pedir ao rei. Ele orou para saber qual diretriz Deus daria naquela situação. Depois Neemias pediu ao Rei para deixá-lo ir para Jerusalém fazer o trabalho (2.5). Provavelmente para sua surpresa foi o que Deus lhe falou para fazer. Teriam outros caminhos naturais para a reconstrução da cidade de Jerusalém e Neemias poderia ser apenas o mentor da ideia e não o executor da obra, mas embora não esteja escrito, Deus lhe disse: “Vá você fazer o trabalho”. O desejo de conhecer a vontade de Deus (oração) o levou a encruzilhada da decisão entre obedecer ou desobedecer (ação). Se você não deseja obedecer é melhor não orar sinceramente para conhecer a vontade de Deus, pois isso poderá te contrariar e colocá-lo numa situação difícil. Em terceiro lugar ele planejou como obedeceria (2.6-9). Depois de orar, conhecer a vontade de Deus e decidir obedecer ele não saiu destrambelhadamente fazendo o que lhe vinha na cabeça como o melhor para obedecer. Ele não partiu no dia seguinte par aquela viagem de 1.600 km. Neemias Estabeleceu prazo, buscou recursos matérias, recrutou pessoas, organizou a rota da viagem, garantiu segurança à caravana, tomou ciência das dificuldades geradas pela oposição (2.10) e avaliou cuidadosamente a situação (2.11-16).

 

Conclusão

Aprendemos hoje com os discípulos e com Neemias que precisamos de uma preparação espiritual (recebereis poder) e de uma organização física (planejamento) para obedecermos e sermos bem sucedidos em nossas conquistas. Boa mensagem!

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

Roteiro Semana 32


SEMANA 32                              Conquistando a boa fama!                06/08/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Portanto, que todos nos considerem como servos de Cristo, e encarregado dos mistérios de Deus”.

I Coríntios 4.1

 

Introdução:

Nossa boa fama faz parte do planejamento de marketing do Céu, pois o Senhor Deus quer se mostrar ao mundo através do nosso modo de viver. Nós somos a embalagem do produto! O que a sua família pensa de você? O que os irmãos na Igreja pensam de você? O que os colegas de trabalho, faculdade, escola pensam de você? O que as pessoas próximas e de bem pensam a nosso respeito pode ser o principal indicativo sobre a qualidade da nossa fama.

 

Desenvolvimento:

Na verdade todas as pessoas possuem uma fama e através do estilo de vida que adotam e estão definindo se será uma boa ou má fama. É desejo divino que sejamos conhecidos pelas nossas boas obras e que elas nos tornem positivamente famosos. Ele diz que devemos aparecer: “Vocês são a luz do mundo”. A princípio o mundo nos odeia porque não pertencemos ao sistema que nele opera. Vivemos noutra cultura e isso ofende aqueles que amam o mundo! É muito importante conquistar a consideração das pessoas a nosso respeito por meio do nosso comportamento exemplar: “Vivam entre os pagãos de maneira exemplar para que, mesmo que eles os acusem de praticar o mal, observem as boas obras que vocês praticam e glorifiquem a Deus…”. I Pedro 2.12. Nesse texto o apóstolo Pedro norteia sobre a condição de servos de Cristo que devemos conquistar diante do mundo. Ele nos incentiva a obter a consideração das pessoas! Neemias conseguiu construir os muros de Jerusalém porque o Rei o tinha em grande estima devido à boa fama conquistada durante os anos do seu serviço em Babilônia. Para construir os muros de Jerusalém ele precisava de autorização real, recursos materiais, pessoas, folga no trabalho, etc., e tudo isso se tornou possível devido à sua reputação. A Bíblia diz que: “A boa reputação vale mais que grandes riquezas; desfrutar de boa estima vale mais que prata e ouro”. Provérbios 22.1.

 

Conclusão

As pessoas correm alucinadamente atrás de riquezas quando deveriam correr atrás de boa reputação. A boa reputação pode não abrir mais portas do que o dinheiro, mas sem dúvida abre melhores portas do que o dinheiro. A qualidade das portas abertas pela boa fama é muito maior daquelas que são abertas pelo dinheiro. Veja a promessa que Deus faz para os que são obedientes a sua Palavra: “Ele declarou que lhes dará uma posição de glória, fama e honra muito acima de todas as nações que ele fez, e que vocês serão um povo santo para o Senhor, o seu Deus, conforme Ele prometeu”. Deuteronômio 26.19.

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.