RSS

Arquivo da categoria: — Esboços de mensagens dominicais 2017

Roteiro Semana 47

SEMANA 47                            Cuidar de pessoas da sentido a vida!                      19/11/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“… Não deveria eu ter pena dessa grande cidade?”

Jonas 4.11 Ver com Lucas 12.13-15

 

Introdução: A resposta da pergunta feita por Deus ao profeta Jonas depende do valor dado à vida humana. Quanto vale uma pessoa? Como é medido o valor de uma pessoa? Será pela capacidade intelectual, financeira ou pelas habilidades possuídas que o valor de cada pessoa é mensurado? Pois é assim que o mundo avalia as pessoas. A mensagem dessa semana visa nos oferecer subsídios para avaliar quanto vale uma pessoa.

 

Desenvolvimento: O fato que introduziu a criação da parábola do rico insensato (Lucas 12.16-21) está em Lucas 12.13-15. Ali Jesus introduz o assunto sobre o valor da vida humana e quando entendemos quanto vale uma pessoa nos tornamos convictos de que vale a pena cuidar de pessoas, começando pela nossa própria vida, passando pela vida daqueles que nos foram dados como companheiros de viagem, ou seja, amigos e parentes; e chegando até mesmo no desconhecido.

 

O alguém da multidão que procura por Jesus é por Ele identificado como um homem ganancioso. Não é o fato de ele ter um litígio com o seu irmão e desejar que isso seja solucionado (no caso uma herança seja repartida de forma honesta entre eles) que o torna um ganancioso. Tal homem é ganancioso porque está diante de Jesus e vê em Cristo a oportunidade de resolver um problema temporal em detrimento do seu problema eterno.

 

Ele queria algo mais do que precisava! Noutro momento Jesus disse que veio ao mundo para salvar o perdido. Aquele alguém era um perdido, mas não se importa com sua condição de perdido e vê em Jesus apenas uma referência para a solução do seu problema temporal. Ele é um ganancioso porque quer de Jesus mais do que precisa: ele precisava de salvação. Na verdade aquele “alguém” que inspira Jesus a construir uma parábola não considerava a sua vida preciosa, mas sim a herança que desejava que fosse repartida de forma igualitária.

 

Jesus fala sobre tipos de ganância. Tudo aquilo que se interpõe entre a sua necessidade de perdão de pecados, e consequente vida eterna, torna-se um tipo de ganância. Quando alguém diz que não tem tempo para ir à igreja, orar ou para Deus porque precisa estudar, então essa pessoa possui uma ganância cultural. Se o mesmo argumento é usado porque precisa trabalhar, então ela possui a ganância econômica; ou se não pode buscar a salvação porque precisa passear, se divertir a sua ganância é narcísica.

 

Noutra parábola, a do bom samaritano, todos aqueles que passaram pelo homem ferido sem lhe dar o socorro necessário, assim agiram porque não dava valor à vida humana. Todos eles eram gananciosos! O sacerdote era ganancioso pelo seu trabalho ministerial e o levita era ganancioso pela sua musica e devoção. Na introdução dessa parábola Jesus fala sobre amar pessoas e aí está a fórmula para dar sentido à vida: Cuidar de pessoas por amar pessoas!

Conclusão

Não diminua o tamanho da pessoa e da obra de Cristo em seu favor! Ele veio e cumpriu a sua missão com intuito de salvar quem estava perdido, portanto não faça dele um mero juiz de questões temporais, um repartidor de herança ou solucionador de problemas. Ele é o Cristo, o ungido para salvar, portanto seja salvo por Ele e o ajude a salvar pessoas!

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

Anúncios
 

Roteiro Semana 46

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Contudo, Nínive, tem mais de cento e vinte mil pessoas que não sabem nem distinguir a mão direita da esquerda. Não deveria eu ter pena dessa grande cidade?”

Jonas 4.11

 

Introdução: A mensagem dessa semana nos leva a refletir sobre misericórdia. Encontramos um profeta que não responde à pergunta divina sobre esse assunto. Talvez porque ela contrasta a eficácia, zelo e capacidade com a misericórdia e o amor. O profeta era eficaz em seu trabalho (tanto que a cidade inteira entendeu e aceitou sua mensagem que chamava ao arrependimento), mas ele não tinha misericórdia e amor. Fazia prevalecer à justiça em detrimento da misericórdia “… Será exercido juízo sem misericórdia sobre quem não foi misericordioso. A misericórdia triunfa sobre o juízo”. (Tiago 2.13). Ele contou com a misericórdia divina diante da sua rebeldia, com a misericórdia dos marinheiros diante da tempestade e até com a misericórdia do peixe que não o devorou, mas ele não tinha misericórdia!

 

Desenvolvimento: A falta da misericórdia deturpa o caráter cristão.

  • Produz insensibilidade. É a perda da sensibilidade e compaixão. Julgamos méritos e acreditamos que as pessoas devem ter o que merecem. Daí pensar que quem sofre é porque merece sofrer. Mas Deus prefere a misericórdia sobre todas as outras coisas.

 

  • Promove inversão de valores. A nossa eficiência no Reino de Deus não é medida pelo volume de resultados práticos, mas pela quantidade de amor e compaixão que empregamos no que fazemos. Por isso o embrutecimento nos torna ineficaz.

 

  • Gera pessoas egoístas. Jonas estava satisfeito com a misericórdia que sobre ele era exercida. Reconheceu e exaltou a misericórdia de Deus, certamente gostou da misericórdia do peixe que não o devorou e do nascimento de uma planta que lhe proporcionou a sombra do frescor e alivio. Mas quando Deus exerce misericórdia com os Ninivitas ele fica: “… profundamente descontente e furioso” (4.1).

 

Conclusão

O livro e histórias narrada sobre a saga de Jonas termina com uma pergunta feita por Deus, a qual não encontra resposta. Não tem resposta pela boca de Jonas, talvez para indicar que a pergunta é universal e cada um de nós precisamos respondê-la. Qual a sua resposta? Você vai ser uma pessoa misericordiosa ou não?

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

Roteiro Semana 45

SEMANA 45                              A boca do peixe e você.                      05/11/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“O Senhor fez com que um grande peixe engolisse Jonas, e ele ficou dentro do peixe três dias e três noites”

Jonas 1.17

 

Introdução:

Houve um momento na história de Jonas que Deus precisou usar de extremos para tratar com o profeta e mostrar-lhe a sua insensatez, então ele usou um grande peixe que engoliu Jonas para que no momento mais tenebroso da sua vida ele viesse a buscar a Deus e pedir perdão do seu pecado. O peixe engoliu Jonas e a boca do peixe foi à porta de entrada para o tratamento mais contundente de Deus na vida do profeta.

 

O objetivo dessa mensagem é indicar que Deus fala o que Ele deseja para as pessoas, assim como falou com Jonas, mas quando elas não entendem ou não atendem à sua voz diretiva surge alguma “boca de peixe” que conduz tais pessoas a situações muito difíceis.

 

Jonas poderia ter evitado a boca do peixe, assim como cada um de nós podemos evitar as situações difíceis que passamos por sermos desobedientes ou mesmo rebeldes contra a vontade de Deus. Jonas resolveu não viver por fé naquilo que Deus mandava fazer, mas por entendimento e, evidentemente, era incompreensível a razão de ir a Nínive pregar para um povo duro e obstinado. Não foi! Jonas decidiu não ouvir Deus pelas circunstâncias, afinal o vento forte e a tempestade indicavam perigo e ele sabia que o perigo era eminente e por sua causa. Jonas negou-se a ver que pessoas ao seu lado estavam sofrendo por causa dele, pois perdiam seus bens lançados ao mar, gritavam, choravam e temiam por suas vidas. Jonas preferiu se esconder ao invés de resolver o problema e quando todos buscavam uma solução divina ele dormia profundamente. Jonas nem se importou em sentir vergonha pela sua conduta sendo quem era. Jonas não percebeu que tinha muita gente tentando ajudá-lo (os marinheiros remaram insistentemente tentando salvar o navio e a vida deles e de Jonas. Tudo aconteceu como forma de Deus chamar a atenção do profeta e levá-lo à obediência, mas nada adiantou.

 

Conclusão

Não deixe Deus usar o plano B para chamar tua atenção. O plano B de Deus é a boca do peixe, portanto obedeça antes que Deus contrate a boca de um grande peixe!

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.026

 

Roteiro Semana 44

SEMANA 44                              O desejo pela divindade                        29/10/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Mas Jonas fugiu da presença do Senhor, dirigindo-se para Társis…”

Jonas 1.3.

Introdução: Todas as pessoas que desejam ser como Deus fogem da presença de Deus. Temos em Adão e Jonas dois exemplos de pessoas que fugiram de Deus: Adão se escondeu de Deus: Ouvindo o homem e sua mulher os passos do Senhor Deus… Esconderam-se…” Gênesis 3.8. Perceba que a cobiça que o afastou de Deus foi querer ser igual a Deus. Gênesis 3.5. Jonas fugiu da presença do Senhor. Jonas 1.3. Porque queria dirigir a sua própria vida, ser Soberano em suas decisões – característica da divindade. Olhando para Adão e para Jonas percebemos que quando alguém deseja ser maior do que Deus prefere ficar longe dele. Quando eu quero ser deus, Deus passa a ser meu concorrente e desejo eliminá-lo.

 

Desenvolvimento: Porque as pessoas querem ser Deus?

  • A presença de Deus deslumbra. Ser e ter tudo que deseja é um grande atrativo. De repente a árvore proibida tornou-se agradável aos paladar. Gênesis 3.6. A presença do Senhor é um lugar maravilhoso e embriaga. Só foge da presença de Deus quem esteve diante dela, e quem fica na presença de Deus conhece algo maior do que tudo que humanamente se pode experimentar.

 

  • Para não ter mais problemas com o pecado, pois a santidade de Deus indica nossa condição de pecadores. Quanto mais perto de Deus ficamos somos santificados e percebemos como somos pecadores. Isso gera uma frustração.

 

  • Para não renunciar às coisas que estamos apegados. Deus pode requerer pessoas que amamos, bens, posições, etc. Querer ser Deus é querer ter autonomia, soberania, cuidar da própria vida do seu jeito e não dever satisfação a ninguém. É desejar não obedecer e ir para onde se quer ir.

 

Conclusão

Desejamos tanto Deus que é perigoso ficarmos tentados em querer ser como Deus. O melhor é recebermos Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador, assim teremos o problema do pecado resolvido e não sofreremos a tentação de querermos ser Deus.

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

 

Roteiro Semana 43

SEMANA 43                              Gente que senta para ver!                          22/10/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Todos os marinheiros ficaram com medo e cada um clamava ao seu próprio deus. E atiravam as cargas ao mar para tornar o navio mais leve. Enquanto isso, Jonas, que tinha descido ao porão e se deitara, dormia profundamente”

Jonas 1.5

“Jonas saiu e sentou-se num lugar a leste da cidade. Ali, construiu para si um abrigo, sentou-se à sua sombra e esperou para ver o que aconteceria a cidade”.

Jonas 4.5

 

Introdução:

Duas situações distintas que refletem o mesmo comportamento: Indiferença. A Bíblia diz que: “Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado” (Tiago 4.17).

 

Desenvolvimento:

Num primeiro momento o profeta mostra-se indiferente quanto a ordem de Deus, à necessidade de um povo e ao perigo iminente que se apresenta contra a sua própria vida e a de outros; isso tudo com o agravante de que ele é o responsável por tudo que está acontecendo de ruim naquele mar e naquele navio. Depois, mais tarde quando já havia (obrigado e de cara feia) atendido a ordem do Senhor e pregado o arrependimento aos moradores de Nínive, fica descontente com o resultado e fica indiferente quanto à continuidade da história. Senta-se em um lugar qualquer da cidade e deseja a morte – essa que é a maior demonstração de indiferença com respeito a tudo que acontece ao redor. Outro personagem bíblico que deseja a morte é Paulo. Todavia, sua motivação é completamente oposta à do profeta, pois o apóstolo deseja logo se encontrar com o seu amado Salvador e demonstra desapego das coisas materiais e das paixões dessa vida. Todavia, a preocupação e interesse pelas pessoas e a vontade de atender a vontade de Deus em salvar pessoas faz com que o seu desejo de estar com Deus para sempre seja adiado, afinal de contas Paulo não era indiferente ao que acontecia ao redor: “Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro. Caso continue vivendo no corpo, terei fruto do meu trabalho. E já não sei o que escolher! Estou pressionado dos dois lados: desejo partir e estar com Cristo, o que é muito melhor; contudo, é mais necessário, por causa de vocês, que eu permaneça no corpo. Convencido disso, sei que vou permanecer e continuar com todos vocês, para o seu progresso e alegria na fé” (Filipenses 1.21-25).

 

Conclusão

A atitude indiferente de Jonas encontra semelhança naquelas pessoas que são insensíveis às necessidades da Igreja de Cristo, de suas famílias e de si mesmos. Vivem num mundo que está “naufragando no mar do pecado” e continuam dormindo. Assistem sentados num canto à obra do Espírito que tem levado milhares de vidas à salvação e santidade, nem mesmo possuem alegria por isso. Tais pessoas estão, assim como o profeta, tristes em razão dos seus interesses serem contrariados, por isso não conseguem se alegrar com a bondade e misericórdia de Deus.

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

 

Roteiro Semana 42

SEMANA 42  Conquistando a tranquilidade!  (Descansando nas tempestades)  15/10/2017

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“O capitão dirigiu-se a ele e disse: ‘Como você pode ficar aí dormindo? Levante-se e clame ao seu deus!”

Jonas 1.6

24 “De repente, uma violenta tempestade abateu-se sobre o mar, de forma que as ondas inundavam o barco. Jesus, porém, dormia. 25 Os discípulos foram acordá-lo, clamando: ‘Senhor, salva-nos! Vamos morrer!”

Mateus 8.24-25

Introdução:

Em épocas diferentes encontramos situações idênticas: Pessoas viajam de barco e uma grande tempestade os acomete. Todos ficam apavorados e com medo da morte buscam socorro no principal personagem que está no barco, mas este personagem está dormindo em sono profundo. Encontramos no confronto entre o sono de Jonas e o de Jesus diferenças quanto à motivação de estarem dormindo e isto gera consequências diferentes no desenrolar de cada uma das histórias. Existem pessoas que se alienam dos problemas e buscam no sono, no passeio, nas “férias” ou mesmo na cama uma fuga para os seus problemas e dificuldades, enquanto isso outros dormem para repor energias, pois estão dispostos a enfrentar as dificuldades e possuem a certeza de que irão vencê-las.

 

Desenvolvimento: Temos algumas lições a aprender ao comparar as motivações do sono de Jonas e de Jesus:

 

  • Jonas estava fugindo de Deus enquanto Jesus estava indo em direção à vontade de Deus (libertar endemoninhados ). Jonas 1.3 e Mateus 8.28.

 

  • Jonas não tinha a sua vida como um bom referencial para outras pessoas enquanto Jesus era um bom referencial: Jonas 1.5 e Mateus 8.25. As pessoas buscam socorro em quem lhes inspira confiança. Quantas pessoas estão olhando para você?

 

  • A presença de Jonas causava perigo para outras pessoas enquanto a de Jesus transmitia segurança. Jonas 1.7 e Mateus 8.25.

 

  • Jonas era repreensível enquanto Jesus repreendia os outros. Jonas 1.12 e Mateus 8.26. Quando ocasionamos as tempestades ficamos sem autoridade moral sobre elas.

 

 

Conclusão

Todos dormem! Porém, por que cada pessoa está dormindo? Por que você está dormindo? O problema não é dormir, mas o sono da fuga é condenável enquanto o sono do descanso é necessário para a realização das conquistas e a solução dos problemas.

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.

 

Roteiro Semana 41

SEMANA 41                    Deus conquista até os rebeldes!            08/10/2017

 

 

Caro pastor, o propósito desse material é subsidiar a pregação dominical, o formato das reuniões de grupos pequenos, a leitura bíblica e devocional diário com a mesma temática durante uma semana. Esse esboço é apenas uma sugestão que poderá ser usado na integra, parcialmente ou não usado, pois o importante é atender a temática. Que Deus lhe abençoe assim como o rebanho que lhe foi confiado!

 

“Por amor de meu servo Jacó, de meu escolhido Israel, eu o convoco pelo” nome e concedo-lhe um título de honra, embora você não me reconheça”.

Isaías 45.4

Introdução:

Nessa mensagem vamos observar o comportamento divino diante da rebeldia do profeta. Um olhar atento nas intervenções que Deus faz diante do comportamento obstinado de Jonas podemos concluir que o Pai não desiste dos seus filhos! Deus gera situações sobrenaturais e faz milagres para despertar o profeta e conduzi-lo para a posição da qual ele nunca deveria ter saído: um profeta. Vejamos as intervenções divinas diante do comportamento de Jonas e aprendamos que da mesma forma Ele trata hoje para trazer de volta a si aqueles que se rebelam contra a sua vontade.

 

Desenvolvimento:

Deus gera tempestades. “O Senhor, porém, fez soprar um forte vento sobre o mar, e caiu uma tempestade tão violenta que o barco ameaçava arrebentar-se.” (Jonas 1.4). Deus faz da tempestade uma ferramenta para chamar a atenção de Jonas. Não era uma punição. Problemas e conflitos surgem na vida dos crentes quando eles se desviam à fim de despertá-los para o erro que estão cometendo.

 

Deus usa coisas boas para falar com os rebeldes. “Então o Senhor Deus fez crescer uma planta sobre Jonas, para dar sombra à sua cabeça e livrá-lo do calor, e Jonas ficou muito alegre. Mas na madrugada do dia seguinte, Deus mandou uma lagarta atacar a planta de modo que ela secou.” (Jonas 4.6,7). Não devemos pensar que quando tudo está indo bem e coisas que nos agradam estão acontecendo essas bênçãos divinas são sinônimos de aprovação da nossa conduta quando estamos sendo desobedientes. As bênçãos podem ser apenas uma forma carinhosa de Deus nos chamar a atenção.

 

Deus produz isolamento. “Então o Senhor fez com que um grande peixe engolisse Jonas, e ele ficou dentro do peixe três dias e três noites.” (Jonas 1.17). Deus tem o costume de pegar os seus servos rebeldes e fazer com que eles se sintam sozinhos. O Senhor colocou Jonas em isolamento por três dias hospedando-o no ventre do peixe. Para Oséias, contemporâneo de Jonas, Deus diz que vai levar seu povo ao deserto para falar carinhosamente ao coração dele. Novamente não devemos olhar o comportamento divino como um gesto de raiva e vingança, mas uma forma de despertar seu profeta da atitude irracional que ele estava cometendo ao rebelar-se.

 

Deus argumenta através da Sua Palavra com os seus servos rebeldes. “O Senhor lhe respondeu: Você tem alguma razão para essa fúria? “ (Jonas 4.4). O Senhor está aberto ao diálogo. Note que Jonas não argumenta com Deus sobre as suas ordens, mas quando tenta fazê-lo em relação aos resultados Deus trata bondosamente as questões que invadem o coração do profeta rebelde e procura convencê-lo. Isso se repete nos versos 9 a 11. Em todo tempo Deus está falando com os crentes rebeldes através de sonhos, visões, por meio de seus profetas nos cultos do templo e nas casas. Cabe ao desobediente acatar e ceder as argumentações divinas e, assim voltar ao caminho da obediência.

 

Conclusão

O único que sabe e pode tratar com rebelde é Deus e Ele não desiste dos rebeldes! Deus não desiste dos seus planos originais. “A palavra do Senhor veio a Jonas pela segunda vez com esta ordem: Vá à grande cidade de Nínive e pregue contra ela a mensagem que eu vou dar a você”. (Jonas 3.1,2). Depois do tratamento divino através da tempestade e do peixe não havia mudado em nada o projeto original para a vida de Jonas, e o Senhor repete a mesma ordem do início da historia. Vale dizer que aquilo que Deus planejou para sua vida não sofrerá falta de continuidade divina na sua conclusão, e somente não se cumprirá se você desprezar os ensinamentos da tempestade e do peixe.

 

 

A temática da semana visa promover a meditação e reflexão por uma semana sobre o tema proposto. Segundo as Escrituras a prosperidade e felicidade são frutos da meditação na Palavra de Deus. Pregar e falar na igreja vários assuntos num curto espaço de tempo – uma semana – gera muita informação e pouco aproveitamento. A sugestão de esboço não deve engessar o pregador, pois ele deve se prender ao tema e usar do discernimento, oração e preparo para entender qual a vontade de Deus para sua igreja. O bom pregador usa um esboço (anotações), mas não prega o esboço, mas a Palavra de Deus na liberdade dada ao Espírito Santo.